domingo, 18 de agosto de 2013

A BLASFÊMIA CONTRA O ESPÍRITO SANTO (PARTE1)

O que é Blasfêmia contra o Espírito Santo?

No conceito de Platão, blasfêmia, do grego blasphemo, quer dizer "falar para danificar".
Nas Escrituras, porém, o conceito de blasfêmia tem um alcance mais vasto e tenebroso. No Antigo Testamento, especialmente no grego da Septuaginta, palavras como blasphemia e blasfemeos trazem, com poucas exceções, o sentido de atos contrários à majestade de Deus. Quando ligadas ao mundo religioso, considera-se "blasfêmia" várias atitudes contra Deus e o que é santo.
• Fazer uso do nome santo de Deus em vão em algo contrário a sua vontade. Por exemplo, o terceiro mandamento traz em si este princípio, embora não seja estabelecida a pena, como em outros casos registrados na Bíblia. Entretanto, existe a proibição: "Não tomaras o nome do Senhor, teu Deus, em vão: porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão" (Êx20.7).
• Falar contra o nome santo de Deus, amaldiçoando-o (Lv 24.10-11).
• Julgar-se igual a Deus. Por causa desta concepção os judeus acusaram Jesus: "Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia, porque sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo" (Jo10.33).
• Falar contra o Templo e contra a Lei também era considerado blasfêmia pelos judeus (At 8.13).
• Falar contra o Céu e contra aqueles que nele habitam (Ap 13.6).
Outros atos abusivos eram considerados blasfemos, tais como:
• falar contra Moisés (At 8.11);
• contradizer a verdade de Deus (At 13.45);
• falar contra a palavra de Deus (Tt 2.5);
• proferir mentiras blasfemas (Ap 2.9).
Jesus mostrou que a blasfêmia contra o Espírito Santo ultrapassa os limites da redenção: "Portanto, eu vos digo: todo pecado e blasfêmia se perdoará aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito Santo não será perdoada aos homens. E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do Homem, ser-lhe-á perdoado, mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro" (Mt 12.31,32).
O texto não alude a um pecado em particular, mas a um ato ou atos definidos que determinam um estado pecaminoso, uma oposição determinada e voluntária contra a força e obra do Espírito Santo.
Neste caso, o pecado consiste de duas maneiras:
• resistir deliberadamente toda e qualquer operação do Espírito Santo;
• atribuir às forças do mal aquilo que está sendo realizado pelo Espírito de Deus.
II - Duas Maneiras de Cometer este Pecado
De acordo com os ensinamentos de Jesus e de seus discípulos, há duas maneiras de os homens resistirem ao Espírito Santo. O perigo de se chegar a tal atitude reside, segundo J. Cranne, no
exercício do livre-arbítrio. Muitos se aproveitam desse direito e optam por um caminho completamente errado e irreversível, como fizeram - ou estavam a ponto de fazer - as autoridades religiosas nos dias de Jesus.
1. Resistir ao Espírito Santo
Estevão, cheio do Espírito Santo, acusa os que se lhe
opunham: "Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim, vós sois como vossos pais" (At 7.51).
O pecado mais comum que uma pessoa sem Deus pode cometer contra o Espírito Santo é resisti-lo. Trata-se, portanto, de um pecado praticado apenas pelo não-convertido. Pode assumir a forma
de desdém (At 26.28); de adiamento (At 17.32; 24.25); de ridicularização (At 17.32); ou de oposição agressiva (At 5.33-40).
Essa conduta pecaminosa não reconhece a atuação do Espírito Santo. Jesus havia demonstrado a seus opositores que tanto a razão quanto a instrução religiosa que haviam recebido não deixavam dúvidas de que o Espírito Santo operava através dEle. Mas, em seu ódio contra Jesus, os fariseus optaram por não aceitar a evidência dada por Deus. Abriram a boca contra o Senhor e contra seu Ungido, dizendo: "Este não expulsa demônios senão por Belzebu, príncipe dos demônios" (Mt 12.24).
Claro está que a aceitação ou rejeição da pessoa de Jesus Cristo contribuiu para determinar a atitude dos fariseus. Mas é a rejeição a base para o pecado imperdoável, que consiste em atribuir a Satanás a obra do Espírito Santo. (23)
2. A blasfêmia
No grego, "blasfêmia" significa "dizer coisas abusivas", e indica algo declarado contra o que pertence a Deus. Às vezes significa "difamação" e "calúnia".
No presente texto, "blasfêmia" reveste-se de um sentido sombrio, tenebroso. Isto é, atribuir ao príncipe dos demônios as operações miraculosas que Jesus realizava pelo poder do Espírito Santo.

Pr. Severino Pedro da Silva 

Artigo adaptado do livro A Existência e a Pessoa do Espírito Santo, publicado pela Editora CPAD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...